Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Estremoz e os 20 euros…

  • 2022-09-04 21:19
  • Autor: João Dinis


"Só uma actividade com enorme potencial poderia sobreviver às tropelias e ‘trapacices’, para não ir mais longe, a que alguns dos agentes que a compõem a sujeitam, e disso ninguém duvide!..."

A tauromaquia portuguesa tem demonstrando nos últimos anos, dez talvez, ter um potencial enorme, tanto e mais que nenhum outro espectáculo cultural e quiçá se possa mesmo quase que equiparar ao futebol, esse grande fenómeno de massas!

Só uma actividade com enorme potencial poderia sobreviver às tropelias e ‘trapacices’, para não ir mais longe, a que alguns dos agentes que a compõem a sujeitam, e disso ninguém duvide!

Comentava com alguns colegas o assunto do momento e que é o facto da Federação Portuguesa de Futebol instaurar um processo a uma jornalista desportiva, por esta ter feito uma pergunta “fora do contexto”… Lembrei-me, que na tauromaquia, a última “moda” dos agentes do sector é evitar mesmo que se escreva, e opinião é algo em jeito de “vá de retro Satanás!

A propósito disso, é bem possível, que lá mais para o Inverno o assunto venha a dar muito que falar… mas agora adiante…

Esta sexta-feira, a julgar pelos e-mails que recebemos da Tertúlia Tauromáquica de Estremoz, que diz gerir, mas afinal não gere, ou não se percebe bem como é feita a “coisa” (afinal quando apontamos o dedo, deveríamos depois ser exemplares), realizou-se na Praça de Touros da cidade alentejana, bonita e com excelentes restaurantes, uma corrida de touros com três toureiros, “figuras máximas da nossa praça”, mas que ao que consta, não conseguiu ir para além dos três quartos de casa, com simpatia, mas que, com maior simpatia ainda, deveria ter esgotado lotação.

Eh pá, isto tem meia casa forte”, “mas olha aqui o meu primo diz que isto bem ajeitado é capaz de ter três quartos…”, disse-me o meu amigo. Perguntei ainda: “então a empresa vendeu os bilhetes todos de 20 euros com que anunciou a corrida?”, “ah isso é capaz”, retorquiu ele.

Sinceramente não me interessava muito se a corrida estava cheia ou vazia, afinal de contas se isso nem interessa às empresas nem aos toureiros, porque se interessasse não faziam o que fazem, porque iria eu estar preocupado com isso?

O que me preocupa verdadeiramente é o dano que isto provoca corrida após corrida e a herança que isto deixará para o apregoado futuro da Festa.

Montar uma corrida com três toureiros do calibre dos que foram anunciados, que é verdade não conseguem arrastar multidões, mas já lá vamos, e depois o grande slogan da corrida ser “+ de 1000 bilhetes a 20€”, seria o mesmo que o restaurante Gadanha ou Alecrim, dois dos restaurantes top de Estremoz, anunciarem que tinham pratos do dia a 8 euros... quem vai a estes restaurantes não é pelo preço da comida, é sim pela distinção e pela qualidade, e isso deveria ser também o que levava as pessoas a irem aos touros, a qualidade e a emoção, que só se conseguem com a verdade!

Obviamente que os toureiros e as suas equipas têm também a sua quota parte de responsabilidade, e muito, do ponto a que se chegou!
Algum toureiro verificou à priori como é que a empresa iria promover o espectáculo? Algum questionou que imprensa iria estar presente? Obviamente que não…!

Em Portugal vivemos uma fase em que apenas conta a promoção que cada um deles faz nas suas respectivas redes sociais, em que conseguem manobrar a informação que querem vincular, sendo a mesma maioritariamente gráfica.

 

Andamos a “vender” a tauromaquia, não como um espectáculo de qualidade, onde a emoção é uma constante, mas sim como, ‘venham cá, passem aqui um bocado de tempo, mal sentados, a levar com o pó, que isto é barato’… assim caminhamos claramente para o fim!

Os toureiros têm que se convencer de uma vez por todas que terão que se transformar em figuras públicas, porque isso de ser figura na tauromaquia e dizerem que cobram 10 ou 20 ou 30, só acredita já quem quer…

As empresas têm que “arrepiar caminho” e perceber que têm que respeitar e acarinhar o público que ainda compra o bilhete e sobretudo a imprensa, que não são os “borlistas”, mas aqueles que ainda vão falando e mostrando, em suma, divulgando, os muitas vezes e infelizmente deprimentes, espectáculos que alguns montam.

É preciso que os agentes taurinos entendam que já no próximo ano, possivelmente nem se anunciarem bilhetes a 10 euros terão público… enfrentaremos uma crise histórica, são necessários verdadeiros atractivos, verdadeiras campanhas… desenterrem a cabeça da areia, metam os olhos nas grandes actividades e aprendam alguma coisa!

Os toureiros reinventem-se, sejam verdadeiras Figuras, arrastem multidões, e acreditem que não será assim tão difícil!

Dirão alguns, os pobres coitados do costume, que estás a falar assim porque não foram a Estremoz… desenganem-se, o TouroeOuro não esteve em Estremoz porque não quis! Se entendêssemos que era realmente importante para quem nos visita, teríamos cobertura do espectáculo! Mas enquanto as corridas não forem verdadeiramente ACONTECIMENTOS, questiona-se se valerá a pena.

Ah, mas não se preocupem, triunfaram todos, não é o que acontece sempre?! Nuns sites triunfaram uns, noutros sites triunfaram os que o dono do site apodera e noutros ainda, triunfam todos e ainda noutros tantos, triunfaram apenas e só as imagens.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0