Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Cartaxo - Rouxinol Jr cantou mais alto em noite de afirmação dos Amadores do Cartaxo

  • 2022-06-26 03:21
  • Autor: Rodrigo Viana
  • Autor da Foto: Rodrigo Viana


Realizou-se na noite de Sábado, na Praça de Touros do Cartaxo, uma corrida de toiros, com elenco composto pelos cavaleiros Filipe Gonçalves, Parreirita Cigano, Luís Rouxinol Júnior, bem como pelo Grupo de Forcados Amadores do Cartaxo.
Lidou-se um curro de toiros da ganadaria Vale Sorraia, com o tauródromo cartaxense a preencher cerca de três quartos da sua lotação.
CRÓNICA DA CORRIDA

A comemoração do décimo aniversário do Grupo de Forcados Amadores do Cartaxo e as festas do município ribatejano foram motivos mais que suficientes para a realização da segunda corrida de toiros da novel empresa Praça para Todos. Antes do início do festejo propriamente dito foi realizada uma procissão das velas em honra de São João Baptista, padroeiro do citado grupo de homens que envergam as jaquetas de ramagens e dignificam a figura do forcado amador deste concelho.

Iniciou funções nesta noite o cavaleiro Filipe Gonçalves. Enfrentou-se com um toiro da ganadaria Vale Sorraia, em tipo com o encaste, que denotou uma investida pouco franca, apertando com as montadas sempre que sentia que as podia atingir. Baseou a sua lide em sortes com batida ao pitón contrário, que por vezes e devido às características e reações inesperadas do astado que frisei, nem sempre resultaram limpas e ajustadas como, certamente o toureiro desejaria. Fechou a sua primeira aparição com um ferro em sorte de violino, que é, como se sabe, do agrado da maioria do público. O segundo toiro do lote do ginete algarvio tinha mais potabilidade porém tardava um pouco no momento da reunião. O cavaleiro desenvolveu faena dentro do seu estilo mais efusivo, tendo-se destacado nas cravagens do quarto e quinto ferros curtos. Terminou com um par de bandarilhas, em sorte frontal, de boa nota e um palmito.

Na sua terra e com o seu público a aplaudir, iniciou faena o cavaleiro Parreirita Cigano. Teve pela frente uma rés que não permitiu luzimento facilitado ao ginete. Se há coisa que não se pode dizer é que não houve entrega e luta, por parte do toureiro, para levar de vencido este primeiro toiro de seu lote. E, como em tudo na vida, o trabalho é o caminho do sucesso, pelo que o mesmo se vislumbrou aquando do terceiro curto da série que foi de muito valor. Carregou a sorte e cravou com acerto, rematando a sorte com um ladeio vistoso. Na sua segunda passagem pelo tauródromo cravou dois compridos de valor, à tira. Lide pautada pela regularidade, havendo momentos mais acertados que outros. A rés possuía mobilidade e arracanva-se com enorme facilidade, o que nem sempre tornou límpido o momento da reunião.  Ainda assim destaca-se pela positiva a cravagem das últimas bandarilhas com que terminou a noite, deixando ambiente entre o público que preencheu cerca de três quartos da lotação da praça.

Completava a terna o cavaleiro Luís Rouxinol Jr.. Após a ferragem comprida que servira para analisar as teclas que poderia tocar, deu início a uma série de curtos que se desenvolveu em crescendo, tendo por diante um toiro colaborador e com mais qualidade que os seus irmãos de camada. Estruturou a sua atuação, conseguindo superar os obstáculos que lhe foram surgindo. Bregou com qualidade, preparou as sortes e cravou, maioritariamente, de forma cingida e ao estribo. O público reconheceu o labor e aplaudiu a compasso. Terminou a sua primeira passagem pela arena cartaxense com um palmito de muito boa nota, aguentando uma extemporânea investida da rés. Para encerrar o capítulo equestre, regressou o jovem de Pegões que demonstrou uma maturidade acima da média. Começou por construir os alicerces para de seguida suportar as paredes e finalizar com a colocação do teto. Tudo isto para referir que, realmente, foi uma lide com principio, meio e fim, mostrando que não é preciso demasiada fantasia para se ter sucesso e realizar uma faena eficaz e a chegar às bancadas, onde se encontra quem permite a sobrevivência da festa de toiros. Menos é mais!

Nas comemorações da efeméride já referida e durante as cortesias foi apresentado o pasodoble "Grupo de Forcados Amadores do Cartaxo". Encerravam-se nesta noite com um curro de toiros da ganadaria coruchense e diga-se o desafio foi ultrapassado com sucesso. Perfilaram na linha da frente os forcados: Bernardo Rodrigues de Sá, Vasco Campino, Fábio Beijinho, Duarte Campino, Francisco Gonçalves e Iuri Tristão que consumaram as respetivas pegas de caras ao primeiro intento com exceção da primeira pega da noite que foi efetivada à terceira tentativa.

Corrida dirigida pelo delegado técnico tauromáquico Agostinho Borges, assessorado pelo Dr. Jorge Moreira da Silva.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0