Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Inspector-geral da IGAC faz balanço da temporada e deixa avisos a agentes taurinos sem referir caso de Évora

  • 2021-12-28 19:22
  • Autor da Foto: D.R.


Luís Silveira Botelho, Inspector-geral da Inspecção Geral das Actividades Culturais (IGAC), utilizou o relatório da Actividade Tauromáquica de 2021, para fazer um balanço da temporada, deixando ainda um sério aviso aos agentes taurinos, ainda que não tenha referenciado o ‘caso Évora’, em que o próprio terá autorizado a lide de touros de seis anos, na última corrida que ali se realizou, situação que apenas não se concretizou porque as associações do sector não o permitiram.

O responsável máximo da IGAC aproveitou a ocasião deixar uma mensagem aos agentes taurinos, alertando para a necessidade “de todos os intervenientes neste tipo de espectáculo interiorizarem, cada vez mais, na medida das respectivas responsabilidades, uma profunda consciencialização das regras que incorporam o quadro legal em vigor”, destacando a protecção do bem-estar animal, das condições técnicas e de segurança dos recintos e no funcionamento normal e regular deste tipo de espectáculos “em termos que o dignifiquem e ancorados no estrito respeito das normas previstas na legislação que disciplina todos os aspectos que lhe estão associados”, numa clara mensagem para o sector que deverá agora entender de uma vez por todas que não poderá continuar a trabalhar como até aqui.

No seu entendimento, a temporada 2021 “foi também severamente marcado pela pandemia”, que teve um reflexo significativo em toda a actividade cultura, “com efeitos negativos elevados para os espectáculos tauromáquicos, em especial, pelas fortes restrições impostas aos que tiveram lugar, especialmente até final do mês de Setembro, e que obrigaram ao cancelamento de vários espectáculos previamente programados”, ainda assim realizaram-se 112 espectáculos, número diferente do da Federação Prótoiro, que contabilizou todos os espectáculos e não os que necessitaram de permissão da IGAC.

Silveira Botelho dá também conta de todo o esforço que foi necessário fazer para levar por diante a realização de espectáculos tauromáquicos, deixando um agradecimento às “associações representativas do sector, sem excepção”, que “assumiram um papel responsável e colaborativo com a IGAC com vista a assegurar que as regras e medidas exigíveis por razões de saúde pública e decorrentes da orientação conjunta, seriam acauteladas, o que sucedeu na generalidade, com sucesso.”

A finalizar o responsável da IGAC deixa ainda um agradecimento aos “Delegados Técnicos Tauromáquicos e às equipas de inspecção da IGAC que, em mais um ano especialmente exigente, como foi 2021, contribuíram de forma profícua e empenhada para assegurar o cumprimento dos quadros normativos em vigor e das medidas decorrentes da orientação conjunta da DGS e da IGAC, para os espectáculos tauromáquicos.”

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0