Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Alcochete – Dois ferros de João Telles, um de Prates e a regularidade de Mara

  • 2020-03-07 20:02
  • Autor: Solange Pinto
  • Autor da Foto: João Dinis


Realizou-se na tarde de hoje, em Alcochete, um Festival Taurino cujo cartel ficou rematado com as presenças de António Telles, Gilberto Filipe, João Telles Júnior, Francisco Palha, Luís Rouxinol Júnior e Mara Pimenta, com novilhos de José Palha.
As pegas estiveram por conta dos Grupos de Forcados Amadores de Alcochete e Aposento da Moita.
CRÓNICA DO FESTIVAL
VÍDEO DO FESTIVAL

Boa entrada de público na catita Praça de Touros de Alcochete, numa tarde de verão e uma noite de inverno. Duas estações num só dia, de resto, timbre de um Festival, em que quase todos os cavaleiros, tiveram também ‘dois tempos’…

Necessita-se até em festivais, de um só ‘clima’… para bem de todos os que estão na bancada, como de resto esteve, o TouroeOuro, numa versão mais de atentado à liberdade de imprensa e aos seus direitos mais básicos…

Já se sabe, Luís Rouxinol foi subitamente substituido pelo seu filho, Luís Rouxinol Junior, este último, com vontade e raça, mas, com ‘outra vez’, excesso de velocidade e alguns curtos cravados em sortes mais abertas…

Abriu António Telles, pautado pela regularidade discreta, sendo que se seguiu Gilberto Filipe, num registo alegre e em cresceno, destacando-se num último curto e no violino.

Foram de João Ribeiro Telles os dois mais empolgantes curtos da tarde. A restante prestação foi de boa nota, mas os tais curtos, de pronunciada entrada ao pitón contrário, fizeram a diferença.

Francisco Palha abriu como de costume, com um muito bom curto em sorte de gaiola. Outro bom comprido e curtos correctos, entremeados com outros tantos mais desiquilibrados e alguns toques nas montadas. Não deu volta.

António Prates foi dos tais que teve duas tónicas… Uma morna e outra a ‘partir a loiça toda’. Deixou o ferro quiçá mais aplaudido da tarde, em registo ‘tremendistas’ e que ‘acordou’ o público nas bancadas.

Terminou Mara Pimenta, primando pela ‘alma graciosa’, alegria, simpatia e regularidade na execução das sortes. Boa actuação.

Lidaram-se reses com escassez de apresentação da ganadaria de José Palha. Atenção, a dar bom jogo, mas com o ‘curto’ de tamanho que foram, em encurtarem-se também as emoções… Até no que ao piso péssimo, concerne.

As pegas estiveram por conta dos Amadores de Alcochete e Aposento da Moita, nos seus ‘conjuntos de ataque’ da nova geração de ambos os grupos. Pegas consumadas sem complicações e dando nalguns casos, bom prenuncio de sucesso para ambas as formações.

Dirigiu com seriedade, Lara Gregório de Oliveira, com assessoria do médico veterinário, Jorge Moreira da Silva.

 

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0