Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Editorial - Janeiro - 'O camuflado'

  • 2019-01-11 16:12


'Camuflar parece ser a palavra de ordem, não vá estar algum anti-taurino à espreita e utilizar a informação de forma pouca abonatória.'

É difícil para pessoas da minha geração, imaginar como foram os tempos de repressão, em que nada ou muito pouco se poderia dizer publicamente, sem que houvesse ‘castigo’ público…

Nem tanto ao mar, nem tanto à terra, já dizia o ditado e a propósito de notícias vindas a público recentemente, envolvendo ‘operários’ do INEM, há que dizer, que informar sim, castrar e julgar publicamente, não!

As sedes para julgamentos existem e não se deverão fazer condenações precipitadas, sob pena de se cometerem injustiças, criando danos irreparáveis na sociedade em geral…

Qual o verdadeiro e legítimo papel da imprensa?

Contar, e contar com verdade, mas contar factos!

A análise, a existir e sim, também é legítima, deverá ser feita com base numa série de versões, que envolvam todas as partes envolvidas nas histórias que se contam…

Nós, no TouroeOuro, falamos com conhecimentos, procurando sempre ouvir as partes envolvidas em todas as matérias que julgamos importantes. Investigamos e se da investigação resultar a dúvida, tentamos procurar desfaze-la… no mundo dos touros, o telefone dos intervenientes, nem sempre é atendido, mas quase sempre, depois das notícias publicadas, aparece um ‘alguém’, que por mail, resolve ‘qualificar’ o trabalho do TouroeOuro, como ‘especulativo’… Coisas de quem verdadeiramente parece não estar por bem na Festa e desses, mais cedo ou mais tarde, não rezará a história.

De toda a questão levantada sobre a participação de ‘alguns’ e não são ‘quaisquer’ grupos de forcados no Dia da Tauromaquia Portuguesa, eis que, depois de noticiada a questão, se tentou dissipar a importância da mesma, de forma a suavizar e quiçá camuflar os acontecimentos…

Camuflar parece ser a palavra de ordem, não vá estar algum anti-taurino à espreita e utilizar a informação de forma pouca abonatória. A acontecer assim, passará a ser a imprensa, quem desejou mal à tauromaquia… Somos nós e sempre fomos, a imprensa, quem parece denegrir a Festa e não os seus mais activos agentes… Aguentamos a responsabilidade. Temos uma missão e vamos leva-la a bom porto, na perspectiva de melhorar e contar o que deve ser mudado.

Queremos crer, que a o tal Dia da Tauromaquia Portuguesa, Nacional ou lá como se chama tudo isto, pretenderá, ser a ajuda financeira, necessária, para processar quem resolve achincalhar a memória de um dos mais célebres toureiros falecido recentemente. Queremos crer, que o gabinete jurídico da Prótoiro (cremos que existe), será o responsável por fazer história na defesa do bom nome da tauromaquia e dos seus artistas e que procurará condenar em sede própria, quem ousou escamotear a memória do cavaleiro…

Queremos crer, que mais que a porcaria de estudos e sei lá mais que bandeiras que a Prótoiro gosta de envergar, o resultado económico do Dia da Tauromaquia, será de uma vez por todas, utilizado de forma visível e aí sim, estaremos todos, com a mesma motivação e claro, sabendo a que se destina o esforço de cada aficionado.

A colaboração de todos nós, deve ser da mesma dimensão da transparência do evento, deste e de outros semelhantes… caso contrário, corremos (a tauromaquia), o risco da desacreditação total…

Façamos tudo sem ‘camuflados’ porque a tauromaquia não pretende ser a ‘guerra’, mas sim a paz de espírito que a arte exige para ser bem desfrutada…