Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Montemor é praça cheia!

  • 2017-09-11 15:17
  • Autor: Rodrigo Viana
  • Autor da Foto: Rodrigo Viana


Montemor-o-Velho recebeu este domingo, 10 de Setembro, a sua tradicional Corrida de Touros, inserida na sua Feira anual.
Um espectáculo entretido e de casa esgotada!
CRÓNICA DA CORRIDA

Slogan utilizado para as corridas de toiros na cidade alentejana de Montemor-o-Novo pode ser hoje utilizado, de igual forma, para a corrida que se realizou ontem em Montemor-o-Velho por ocasião da feira da cidade, onde o tauródromo ali instalado esgotou.

O cartel era composto pelos cavaleiros Francisco Cortes, João Moura Caetano e Duarte Pinto, estando as pegas a cargo dos grupos de forcados amadores de Alter do Chão, Póvoa de São Miguel e Coimbra. As reses pertenciam às ganadarias Prudêncio e António Valente (terceiro e quinto da ordem).

Do mais antigo de alternativa viu-se uma primeira lide bem conseguida, com uma boa série de curtos com ligeira batida ao pitón contrário, destacando-se o quarto de boa nota de cima para baixo, bem debaixo do braço como ditam as regras de bem tourear. Frente ao segundo de seu lote andou mais discreto o ginete estremocense, deixando a ferragem da ordem frente a um toiro que foi a menos com o decorrer da lide.

João Moura Caetano, em dia de aniversário, saiu alegre e motivado. Bem frente ao primeiro que lhe calhou no sorteio, que viajou desde o concelho de Benavente, deixou ferros curtos de excelente execução, terminando o ofício com quatro ferros de palmo com o cavalo “Sete”.
Já frente ao seu segundo, um toiro com ferro de António Valente, o toureiro monfortense não conseguiu mais que deixar a ferragem da ordem, visto que o seu oponente se refugiou em tábuas, saindo de lá a muito custo apenas com a ajuda dos peões de brega da sua quadrilha.

Duarte Pinto é, já se sabe, um clássico! Esteve bem na cravagem da ordem frente a ambos os astados de seu lote. É um cavaleiro que prepara bem as sortes, cita com alegria para finalizar com mão certeira, a cravagem de todos os ferros en su sitio, bem ao estribo.

No que a forcados diz respeito, foi tarde para rodar malta menos experiente e/ou para disfrutar. Pelos de Alter foram caras João Airoso e José Alexandre, pegando respetivamente, à segunda e primeira tentativas. Pelo GFA Póvoa de São Miguel pegaram Fábio Madeira ao segundo intento e Fábio Caeiro numa primeira tentativa que só se concretizou após o aviso da “inteligência”, por dificuldades na colocação do toiro.
Pela ‘malta’ da cidade dos estudantes saltaram à arena Rodrigo Desidério e Edgar Graciano, concretizando ao segundo e primeiro intentos, respetivamente.

Os toiros que viajaram desde os campos do Ribatejo saíram bem apresentados e a cumprir bem, já os da terra, de António Valente, saíram escorridotes e com falta de força, sendo manso o quinto da ordem.

Corrida dirigida com acerto por Francisco Calado, assessorado pelo Médico Veterinário José Luís Cruz e pelo cornetim Filipe Malva.